quarta-feira, 2 de março de 2016

TEMPERAMENTO e CARÁTER



Recomendação: Não dê início a essa leitura sem antes fazer o teste de Temperamentos, pois conhecendo seu Temperamento Dominante e Subsequentes facilitará seu entendimento durante a leitura. Faça seu teste sonsinho sem ajuda de outra (s) pessoa (s). Boa leitura! o teste acompanha o livro ou, o mesmo pode ser feito pelo site:

Temperamento é pura genética, não é adivinhação e muito menos horóscopo. Horóscopo é um sistema muito bem elaborado para permitir entrada de espíritos demoníacos na vida da pessoa que recorre a esse tipo de superstição. O objetivo deste livro é ajudá-lo a conhecer e entender melhor a si mesmo e também às pessoas que o cercam, dando-lhe uma melhor percepção do mundo ao seu redor e do Temperamento humano em geral. Afinal, quem nunca ficou intrigado com a reação das pessoas.
  
Ao perguntarmos somos o que somos ou podemos mudar? Ou por que agimos como agimos? Estes questionamentos nos levam a uma análise introspectiva, e isso nos conduz a outras perguntas, é possível, alcançar o real conhecimento de quem verdadeiramente somos? Porque em determinados momentos de nossas curtas vidas agimos ou reagimos de maneira diferente ou indiferente em relação a algumas pessoas e outras não?

São muitas as forças e franquezas de Temperamentos, por isso uns agem com cordialidade, comunicabilidade, outros mais produtivos outros menos, uns insensíveis e vingativos e outros desconfiados e mal-humorados e o que dizer dos exagerados e indisciplinados. Entretanto muitos fazem confusão entre Temperamento e Caráter, como já lemos acima Temperamento é uma herança genética, quanto ao caráter é algo adquirido no decorrer da vida, por exemplo: alguém que decide praticar qualquer tipo de crime, que decide falar mal dos outros, que decide optar pela mentira, discriminações, preconceitos e estelionatos, etc., todas estas decisões são fraqueza de Caráter, são fraquezas para as quais a pessoa independente do Temperamento vai permitindo por sua própria decisão em sua vida. O bom e mal caráter recebe influencia primeiro da família, depois amigos (convívio social), meios de comunicação, etc., mas, é a decisão que vai determinar o bom e o mau Caráter.

E quando alguém demonstra atitudes de ingratidão contra quem o beneficia é Fraqueza de Temperamento ou mau-caratismo? E porque a infidelidade está tão presente quando a fidelidade deveria ser prioridade? E o que dizer da inveja falha no Caráter ou Fraqueza de Temperamento? É possível o autocontrole, domínio total das fraquezas e forças dos Temperamentos e falhas no Caráter? Por que agimos como agimos? Somos o que somos ou podemos mudar?
É importantíssimo entendermos que cada pessoa possui um Temperamento Dominante que ascenderá sobre os demais, ou seja, se no indivíduo predomina o Temperamento Fleumático, isto significa que os demais estão distribuídos em outro percentual. Na verdade, a pessoa possui os quatro Temperamentos: Colérico; Sanguíneo; Fleumático; Melancólico, não necessariamente nessa ordem, contudo apenas um sobrelevará, havendo pouca possibilidade para dois ou mais Temperamentos dominantes, a pessoa estará preso ao seu Temperamento dominante e a influência dos demais durante toda a vida.

O desconhecimento das influências dos Temperamentos no decurso da vida humana, facilmente nos leva às decepções e na maioria das vezes por falta de maturidade ao isolamento ou afastamento de tipos de possas que não consideramos segundo nossos padrões preestabelecidos por auto conveniência. O conhecimento dos Temperamentos aliado à maturidade nos levara extrair o máximo de aproveitamento de nós mesmos e de cada indivíduo    independente   de seu   Temperamento dominante e subsequentes. Assim sendo o estudo aprofundado vai conduzi-lo inevitavelmente para o autoconhecimento e conhecimento daqueles o cercam.

Temperamentos:
Porque pessoas como o mesmo temperamento são diferentes?
Porque, temos que considerar as combinações de temperamento que cada pessoa tem, pois, mesmo que as combinações sejam idênticas em todos os aspectos, ainda há que se considerar  o caráter de cada um, muito embora o caráter possa ser mudado por decisão pessoal, já o temperamento somente por intervenção do Criador.

Temperamento Colérico
A pessoa cujo Temperamento dominante é Colérico está sempre muito atento a tudo e todos a seu redor, o que faz reagir rapidamente aos estímulos do meio ambiente, embora quase sempre suas reações sejam impulsivas e intensas. Ele é sensível e ágil por natureza, e está sempre à frente de seu tempo. Muitos inventores famosos eram naturalmente indivíduos de Temperamento Colérico. Na verdade, o Colérico é um entusiasta por natureza, que nunca está satisfeito com o que é simples e comum, é ambicioso e sonha com o sucesso profissional, pessoal e também na vida amorosa, nessa área é um conquistador que faz uso do romantismo para atingir seu objetivo a conquista. Entre os sonhos mais comuns está o desejo de fazer fortuna e de conquistar uma posição de prestigio no mundo dos negócios, ou naquilo que está envolvido. Mas, além disso, tem aspirações espirituais também. Em geral, tem uma enorme crença em Deus, independente de professar ou não uma religião.

A característica principal do Colérico é a ambição, e seu desejo nato de melhorar e crescer o leva, muitas vezes, a realizar feitos heroicos. Nesta empreitada o Colérico conta com algumas características positivas (forças) e negativas (fraquezas).

Quanto maior a porcentagem Colérica, tanto mais ativa e intensa a pessoa será na tentativa de superar problemas e obstáculos. Quanto menor a porcentagem colérica, tanto mais forte será a tendência de obter dados antes de tomar uma decisão, e quando num ambiente hostil o Colérico de alta porcentagem reage de forma direta e agressiva, fica com raiva rapidamente é o tipo de pessoa dominante, determinada e diretiva. Gosta de ter papel ativo e é orientado para tarefas. Bom solucionador de problemas; corre riscos; ego forte; iniciativa própria; orientado para alvos. Bom motivador; bom para organizar eventos; alta valorização do tempo; orientado para resultados. Contudo, discute muito; não gosta de rotina; é muito autoritário de autoridade extrapolada, às vezes chega a ser chato. Elimina de seu relacionamento qualquer pessoa que perceba estar querendo tirar proveito interesseiro dele. Em geral por ser vingativo tem dificuldade de perdoar e facilmente se contamina por rancores antigos.

Intelecto privilegiado e capacidade de liderança, Em geral o Colérico é muito inteligente e, talvez por isso mesmo, seja um  líder nato. Muitos presidentes e políticos famosos são reconhecidamente indivíduos de Temperamento Colérico. Enorme força de vontade não se deixa abater pelas dificuldades; em vez disso, quando se deparam com obstáculos, reúnem todas as suas forças e perseveram até atingir seus objetivos, custe o que custar. Por isso, são excelentes profissionais.

Paixões intensas e determinação, é uma pessoa de sentimentos intensos e passionais. Quando se dispõe a realizar ou fazer algo, enche-se de tamanha determinação e paixão que nada, ou quase nada, é capaz de detê-lo. Desta forma, o Colérico é um companheiro fiel, amigo dedicado e amante apaixonado. Mas, como nada na vida é perfeito, o Colérico também tem suas fraquezas entre elas o autoritarismo, pois sua grande “fome de poder” quase sempre o torna dominador e autoritário. Ele gosta de liderar e não mede esforços para isso. Alguém com este Temperamento só se sente feliz quando está em posição de comando e, não raro, chega a se exceder para conseguir o que quer. Às vezes acha que é preciso passar por cima dos sentimentos e necessidades alheias para chegar ao topo, mas, se consegue controlar seus impulsos dominadores e agir com bom senso, sua liderança é notável.

Para realizar grandes feitos o Colérico torna-se Imprudente e apressado. Isso porque se dedica de corpo e alma ao que faz e, por isso, em sua impetuosidade pode acabar deixando o bom senso de lado... 

Neste aspecto em particular, uma boa solução seria chamá-lo à razão e tentar fazê-lo controlar sua ansiedade natural. Mas lembre-se isso não é nada fácil, pois o orgulho e a teimosia também impedem o Colérico de ver as coisas com mais clareza. Em sua busca pela perfeição e realização em todos os campos de sua vida, torna-se obstinado e tem dificuldade de voltar atrás, mesmo quando fica claro que está errado. Portanto, os Coléricos são geralmente os maiores teimosos e cabeças-duras que se pode conhecer; é muito difícil traze-los à razão e convencê-los de que existe uma forma melhor de fazer algo. Só mesmo com muita paciência e dedicação é possível fazer um Colérico engolir seu orgulho e reconhecer que está errado. Facilmente se ira diante de injustiças contra ele e contra outros, dá tanta importância à justiça que o agir com graça é demonstração de fraqueza e condescendência.

Para um individuo Colérico encontrar o equilíbrio emocional em sua relação com o mundo exterior, ele precisa usar seu grande intelecto para conhecer suas fraquezas e tentar minimiza-las. Com um pouco de bom senso e calma é possível diminuir o autoritarismo, minimizar a imprudência e domar o orgulho e a teimosia; a palavra de ordem aqui é sensatez. Se você puder convencê-lo com argumentos fortes, terá um grande companheiro. Esses são princípios simples, mas altamente eficazes quando aplicados no momento certo. Mais uma coisa: o Colérico é um individuo que precisa de fatos concretos para convencê-lo, assim, tente ser objetivo e prático todas as vezes que quiser trazê-lo à razão. Conversas altamente demagógica e sermões jamais surtirão efeito com um Colérico.

Os grandes estudiosos do temperamento dizem que o temperamento não se pode mudar apenas controlar, mas, eu creio que para Deus não há impossível, e que o Espirito Santo pode não mudar, mas, nos dar maturidade, para exercermos controle sobre nossas FORÇAS e FRAQUEZAS de TEMPERAMENTO, isso é claro quando damos a ELE liberdade total para agir em nós segundo sua vontade para que possamos ter os Temperamentos equilibrados, semelhantes ao de Jesus...

Temperamento Sanguíneo
Uma das características mais marcantes do Sanguíneo é o otimismo e a grande confiança que tem em si mesmo, o que o faz correr riscos sem pestanejar. Os Sanguíneos, porém, não costumam ir "a fundo nas coisas", e têm dificuldade de concluir o que começam. Por mais interesse que possam demonstrar por um assunto, aos poucos vão perdendo o foco e logo sua atenção já se voltou para outros acontecimentos e fatos, é necessário fazer uso do autocontrole que com o passar do tempo tornará coisas ou decisões de difícil execução fáceis. No campo profissional, os Sanguíneos gostam de trabalhos que valorizem contatos pessoais e a interação social, também muda rapidamente de humor e pode passar de um acesso de raiva ao riso solto em curto espaço de tempo. Também se preocupa muito com o mundo exterior, com as aparências e gosta de tudo o que é belo e charmoso. O lado bom disso é que o sanguíneo é extremamente voltado às boas-maneiras, tem excelente senso estético e costuma ser ótimo comunicador e orador. Em consequência, o Sanguíneo tem o que as pessoas chamam de 'um olho clínico' para detalhes.

Por causa do seu Otimismo o Sanguíneo procura ver sempre o lado bom das coisas. Ele é otimista por natureza, não se deixa intimidar pelas dificuldades e quase sempre acredita que terá sucesso em tudo o que fizer. Mesmo quando falha em conseguir o que deseja não se deixa abater por muito tempo e "dá a volta por cima", recomeçando sempre com a mesma vivacidade. Por isso, raramente entra em depressão ou se esconde no isolamento, é um comunicador nato, ele gosta de falar e interagir com as pessoas e, geralmente, o faz muito bem, o que o torna um superextrovertido por natureza o que lhe permite exercer algumas profissões com muita destreza, como, por exemplo, jornalista, editor, diplomata, vendedor e tudo o que tenha a ver com línguas e arte em geral. Ter um sanguíneo em sua equipe de trabalho significa poder contar com um porta-voz muito eloquente. Ele também é muito querido nos círculos que frequenta é alguém fácil de amar, um chefe condescendente e amante carinhoso. Em razão de seu grande otimismo e tendência a estar sempre se interessando por coisas novas e boas, o sanguíneo perdoa com grande facilidade e não se deixa contaminar por rancores antigos.

O orgulho do sanguíneo não se manifesta como a teimosia e obstinação do Colérico, nem como o medo de ser humilhado do Melancólico, mas sim como uma forte inclinação à vaidade e a auto complacência. O Sanguíneo é muito preocupado com aparência, com sua imagem pessoal e profissional em geral. Ele adora se olhar no espelho, o que lhe confere certo grau de narcisismo. E por dar muito valor à aparência, o sanguíneo também presta atenção à das outras pessoas, e isso o deixa inclinado a estar sempre flertando com alguém que atenda a seus padrões; por isso, pode ser infiel, novamente aqui se faz necessário o uso do autocontrole e maturidade. Sua preocupação com o mundo exterior também o torna muito ciumento. Por outro lado, o indivíduo Sanguíneo adora fazer elogios que dependendo do seu objetivo, ou seja, daquilo que deseja alcançar usará esses mesmos elogios na forma de bajulação. Não poupa palavras de elogio ao ser amado. Uma vez que o sanguíneo se preocupa muito com o exterior e tem excesso de otimismo, em geral ele tem dificuldade para reconhecer as próprias fraquezas e admiti-las.

O sanguíneo é alguém de fácil convívio, com quem é possível dialogar de maneira aberta e coerente. No entanto, é imperioso que controle sua forte dependência do mundo exterior e não se preocupe tanto com as impressões que pode causar. Agora, se você convive com um sanguíneo, tente compreender sua necessidade de elogios, converse com ele e reconheça seu grande senso estético; isso irá torná-lo mais solidário e realçará suas forças, aumentando a capacidade de concentração e, consequentemente, melhorando seu relacionamento como um todo. Lembre-se, o sanguíneo é um otimista por natureza; portanto, ajude-o a ter uma visão mais realista das coisas sem destruir seu otimismo. A palavra de ordem é: interiorização (valorize o que está dentro de você).
Além de ser inclinado ao ciúme e inveja, o Sanguíneo também e inclinado a maledicência, é o tipo de pessoa que quando gosta de alguém fala bem tanto perto quanto longe, mas, se por ciúmes ou inveja ou por qualquer outro motivo não gosta de alguém, perto agirá de maneira que a pessoa se sinta amada, mas, longe falará mal, (a maledicência é uma falha de caráter que está presente em todos os temperamento todavia cada qual fará uso dela para se auto proteger ou difamar). Quanto maior a porcentagem Sanguínea tanto mais verbal e persuasiva a pessoa é ao tentar influenciar outras com seu modo de pensar. Quanto menor a porcentagem Sanguínea tanto mais a pessoa usa dados e fatos. Quando num ambiente hostil o Sanguíneo reage ativamente e tenta negociar um acordo ou desculpar-se rapidamente. Também possui forte necessidade de se sentir aprovado palas pessoas. Emocionalmente o Sanguíneo de alta porcentagem são: alegres e otimistas. Os de baixa porcentagem tendem a ser mais pessimistas.
É Influenciador, inspirador e impulsivo. Gosta de ter papel ativo e é orientado para pessoas. Otimista; confiável; emotivo; super extrovertido falador; entusiasta e persuasivo, bom encorajador; bom senso de humor; pacificador; criativo na solução de problemas. Contudo é desatento a detalhes; prefere popularidade a resultados tangíveis; ouve o que é "conveniente"; pode ser desorganizado e seu grande medo é a rejeição; perda de popularidade.

Temperamento Fleumático
O indivíduo Fleumático é extremamente flexível e confiável. Trate-se do tipo de pessoa que faz o que precisa ser feito sem reclamar e sem ficar alardeando aos quatro cantos seus feitos e capacidade. O Fleumático é modesto, discreto e trabalha em silêncio, mas ao contrário do Melancólico, não fica remoendo o passado e nem tampouco é tímido ou se acovarda diante do perigo, ele é apenas um indivíduo que prefere guardar suas impressões para si mesmo e não costuma falar demais. Portanto, esses indivíduos gozam de bastante confiança e respeito entre aqueles com quem convive.

O Fleumático é leal e discreto, e procura tratar as pessoas com todo o respeito que deseja para si mesmo, geralmente tem relacionamentos longos e duradouros e é um excelente companheiro e chefe de família. Por sua natureza calada e discreta, o Fleumático jamais se vangloria de seus feitos; é modesto, embora seja bastante inteligente e capaz. Tem exata noção de seu valor para a sociedade e também de suas deficiências, por isso procura manter-se equilibrado. O Fleumático aceita os outros como eles são e não passa muito tempo remoendo fatos e acontecimentos. Seu lema é que "O que passou, passou", o que importa é o futuro; isso o ajuda a seguir em frente mesmo nas horas difíceis.

Por sua natureza conciliadora e flexível, o Fleumático, em geral, costuma ficar em cima do muro. Se o assunto não lhe diz respeito diretamente, ele prefere se calar, o que o prejudica no médio e longo prazo, principalmente em sua vida profissional, pois seu silêncio pode ser visto como falta de iniciativa. Para as pessoas que convivem com um Fleumático, sua tranquilidade e maneiras gentis e discretas acaba se tornando um problema, pois ele assume um ar "inatingível". Você pode xingá-lo, acusá-lo, gritar a plenos pulmões, mas mesmo assim ele manterá a calma. Isso é um problema para os relacionamentos amorosos, onde a tranquilidade excessiva pode ser vista como falta de interesse e dedicação. O Fleumático é o típico indeciso, não porque não tenha ideias próprias ou lhe falte inteligência, mas sim porque não gosta de se comprometer.
           
Verdade seja dita, cautela e prudência são características muito importantes para quem vive em sociedade, mas lembre-se o equilíbrio emocional é fundamental; portanto, não é bom ser tão impulsivo quanto o Colérico e o Sanguíneo, nem tão prudente quanto o Melancólico, pois no último caso pode­-se ''passar pela vida e não viver". Todos têm direito a dar opinião e a fazer as coisas que as tornem mais felizes. Se você é uma pessoa fleumática, procure ser mais proativo e acompanhar todas as voltas que o mundo dá, senão corre o risco de ficar literalmente para trás. Manifeste sua opinião: não dói e vai ajudá-lo a interagir melhor com o meio. Agora, se você convive com um Fleumático, entenda que o silêncio e a passividade dele quase nunca têm a intenção de ser ofensivos; o Fleumático apenas não gosta de magoar as pessoas e fará tudo o que puder para evitar problemas; portanto, tente convencê-lo a falar um pouco mais e assegure-lhe de que, seja qual for a opinião dele, isso não mudará em nada o relacionamento que vocês mantêm, quer seja profissional, pessoal ou amoroso. A palavra de ordem é: participação.

Quanto maior a porcentagem Fleumática, tanto mais a pessoa se submete as regras estabelecidas pelos outros. Quanto menor a porcentagem Fleumática, mais a pessoa busca a sua independência. Quando num ambiente hostil Fleumático de porcentagem alta irá responder passivamente e normalmente irá se retirar.

Quanto mais alta a intensidade do Temperamento Fleumático, mais a pessoa é motivada pelo medo. Quanto menor a intensidade do Temperamento Fleumático, menos temerosa é a pessoa. Gosta de ter o papel passivo e é orientado para pessoas. Seguro e estável. Caloroso; simpático; compreensivo; paciente; pacato; coerente. Bom ouvinte; trabalha em equipe; leal; confiável; paciente e com boa empatia. Contudo, resistente a mudanças; "guarda" muita coisa; dificuldade com prioridades; muito sensível. Seu grande medo é a perda de segurança e estabilidade.

Temperamento Melancólico
Ao contrário dos Temperamentos que acabamos de ver, o Melancólico reage a tudo o que acontece à sua volta de uma maneira reservada. Sua reação, com frequência, é fraca e um tanto disfarçada, porém dura muito mais do que a dos Coléricos e Sanguíneos, porque o Melancólico tem uma forte tendência a ficar remoendo os acontecimentos e, com o passar do tempo, o que pode ter sido algo insignificante acaba por se tomar muito mais forte e até perigoso. Tal reação pode ser comparada ao ato de fincar uma estaca no solo, o que a princípio faz apenas um orifício, mas depois de receber várias marretadas entra cada vez mais fundo na terra, causando um enorme buraco, de maneira que é quase impossível restaurar. Esta propensão a ficar remoendo as coisas requer especial atenção, pois pode ser a chave para resolverem muitos dos enigmas e problemas associados ao comportamento de um indivíduo Melancólico.

Uma vez que o Melancólico é muito introvertido e voltado para si mesmo, ele costuma refletir muito sobre todos os seus atos e raramente se permite magoar as pessoas com atitudes impulsivas. Ele também é um excelente planejador e costuma organizar sua vida no âmbito mental, antes de colocar suas ideias em prática. Assim, os Melancólicos são excelentes estrategistas e consultores, porque ponderam tudo antes de agir e dão valor aos pequenos detalhes que podem fazer a diferença.

O Melancólico é um detalhista por natureza, tem um alto grau de comprometimento com tudo o que faz e costuma cumprir suas obrigações com dedicação e destreza. Em geral, também é honesto, caseiro e religioso, o que é um reflexo do lado introspectivo do Temperamento. Este é o Temperamento com um dos maiores graus de lealdade dentro de um relacionamento, mas também é o que pode ser mais facilmente magoado. Muitas vezes por causa de sua prudência usa maneiras de ajudar os outros que dá a impressão de traição.  O Melancólico costuma ser muito prudente em tudo o que faz, justamente porque costuma meditar longamente e por ter grande necessidade de agir com retidão e benevolência para com todos à sua volta.

O Melancólico é passivo por natureza. O indivíduo com este tipo de Temperamento, portanto, tem dificuldade em ser proativo e também em tomar atitudes rápidas e decisivas como fazem o Colérico e o Sanguíneo. Esta sua propensão à passividade faz com que se negue prazeres básicos, pois está sempre aceitando a opinião dos outros e se curva diante do desejo e da vontade alheia. O Melancólico tem dificuldade em se relacionar com as pessoas e construir novos relacionamentos. Fica nervoso e não encontra as palavras certas quando precisa falar com estranhos, o que o impede de expressar seus sentimentos com clareza. Também não gosta de falar em público e prefere profissões em que não precise trabalhar ou interagir com outras pessoas, é um burocrata por natureza, pode ser um ótimo programador de computadores, funcionário público, contador... Em razão de sua passividade e timidez, o Melancólico acaba se acovardando diante da vida e dos fatos, pois faz de tudo para evitar conflitos e evita correr riscos, por menores que eles sejam. Tem grande força de vontade e talento, mas muitas vezes estas suas características naturais são suplantadas por seus temores. Assim, poderíamos adaptar um velho ditado popular e dizer "Jogue um Melancólico na água e ele aprenderá a nadar", isso porque ele tem condições de superar os obstáculos naturais, só precisa de coragem para se arriscar um pouco mais... A hora da virada na vida de um Melancólico pode ser aquela em que ele decida enfrentar seus temores e arriscar-se um pouco mais. Agora, se você se relaciona com um indivíduo Melancólico, seja paciente e tente fazê-lo falar sobre tudo o que o incomoda; não será fácil, mas por certo valerá a pena, pois os Melancólicos trazem "o mundo em sua alma". Veja, se você é um melancólico, não estamos dizendo para correr riscos desnecessários que vão contra sua natureza, mas sim para munir-se de todos os elementos possíveis e necessários quando tiver de enfrentar uma situação e superar seus medos. Afinal, prudente e detalhista como é, certamente não se atirará de cabeça em algo que seja prejudicial e danoso a alguém. Falta-lhe apenas a coragem e ousadia para pôr seu lado bom para fora. A palavra de ordem é: coragem.

Quanto maior a porcentagem Melancólica, tanto mais a pessoa prefere começar e completar um projeto de cada vez. Quanto menor a porcentagem Melancólica, mais resistente é a mudanças, e quando num ambiente hostil o Melancólico de porcentagem alta responde passivamente, normalmente sem emoção. Pois, quanto mais alto o Temperamento Melancólico menos sentimento essa pessoa terá e mais difícil ela é de se descrever. Quanto mais baixo o Temperamento Melancólico, tanto mais sentimental e expressiva a pessoa é. Condescendente, Cauteloso e Correto. Gosta de ter papel passivo e é orientado para tarefas.

Pensa e repensa as coisas a fundo; é preciso; de padrões elevados; cuidadoso; sistemático. Bom organizador; segue e obedece a orientações; humor equilibrado; esclarece bem as situações. Encontra falhas facilmente; focaliza detalhes, podendo perder a visão geral; às vezes é muito crítico.

Temperamento Dominante
O Temperamento é herdado e congênito, 50% dos pais, 15% dos avós, 5% dos bisavôs e 1,5% dos trisavôs e não pode mudar, pode, sim, ser controlado, mas... quando já passou pelo novo nascimento, Através do poder do Espírito Santo pode ser transformado.

A falta de conhecimento do Temperamento é uma das causas geradoras de conflitos de personalidade (geralmente chamada de incompatibilidade). Portanto, precisamos conhecer nosso Temperamento Dominante para melhor entendermos a nós mesmos e nos aceitarmos. Não podemos, jamais, confundir Temperamento com formação social, educacional, estas coisas combinadas com o Temperamento vão determinar as nossas ações e reações emocionais, do humor e do Caráter. Senão vamos querer justificar com isto, que reações antipáticas e desonestas, grosserias e estupidezes são características de Temperamentos.

Portanto, é necessário conhecermos nosso Temperamento dominante para melhor nos conhecermos, (por que somos assim? Ou por que agimos como agimos?) e, conhecer melhor também outras pessoas principalmente às de nosso convívio e deste modo poder melhor compreendê-las.

Os Temperamentos Colérico, Sanguíneo, Fleumático e Melancólico; cada qual é constituído daquilo que chamaremos de forças e fraquezas, isso para melhor compreendermos aspectos particulares dos Temperamentos que diferencia caracteristicamente uma pessoa da outra. O Temperamento é a combinação de características que herdamos de nossos pais (Bagagem genética). Naturalmente, o Temperamento não é a única influência sobre nossa conduta. A vida doméstica, o treinamento, a educação e a motivação, por igual modo, exercem poderosas influências sobre nossas ações por toda a vida, o Temperamento, entretanto, é a influência de número um na vida da pessoa, não somente por ser a primeira coisa que nos afeta, mas porque como a estrutura corporal, a cor dos olhos e outras características físicas, ele nos acompanha por toda vida. O Temperamento estabelece fortes diretrizes no comportamento individual.

Conhecendo as forças e fraquezas de cada Temperamento, certamente fica mais fácil entender, não apenas suas próprias reações e mudanças de humor, como também de todos que o cerca. Se existe uma receita valiosa para ser uma pessoa equilibrada é aceitar os outros do jeito que eles são e jamais tentar transformá-los numa cópia fiel de si mesmo, ou, se for o caso, nunca deixe alguém fazer isso com você. O segredo para uma vida mais produtiva e feliz, independente de qual seja seu Temperamento, passa pelo princípio básico do respeito à individualidade de cada um. Portanto, respeite as pessoas com quem você convive e, claro, a você mesmo. Tente compreendê-las em sua singularidade e, quando tiver problemas, pare e pense qual é a melhor maneira de construir um diálogo positivo e produtivo com a pessoa em questão. Pergunte-se: a que tipo de argumento essa pessoa responderia melhor? O que ela está sentindo? Como posso ajudá-la? Como fazê-la perceber que me importo com o que sente?

O Teste de Temperamentos está disponível nesse Site:

A Linguagem de Amor
dos Temperamentos
Todos nós queremos amar e ser amados, compreender mais sobre as nossas necessidades e a de nossos amigos, e aprender a amar um ao outro melhor.

De fato, as pessoas são muito diferentes na maneira em que mostram amor e na maneira em que querem ser amadas. Talvez você seja uma pessoa que se sente amada quando algum amigo comunica o seu amor através de palavras, mas talvez o seu amigo não perceba isto e a maneira dele comunicar o seu amor e através de prestar ajuda de alguma forma.

Emocionalmente todos nós somos como vasos vazios que precisam ser preenchidas com amor, todavia somos preenchidos de maneiras diferentes. Para uma pessoa, receber flores e prendas vai preencher a sua necessidade de amor. Para outra pessoa, intimidade física significa que é amado.

Precisamos aprender como suprir as profundas necessidades de amor de nossos amigos. Basicamente as pessoas sentem-se amadas através de uma ou mais das seguintes maneiras:

Palavras de Afirmação (Melancólicos)
Elogios verbais e palavras de apreciação são poderosos comunicadores do amor. São os melhores comunicados em forma de expressão direta e simples, como: “Você ficou tão elegante com esse terno”; “Você está muito bem com esse vestido”; “Ninguém faz essas batatas melhor que você”. Não sugiro que use de bajulação para conseguir o que deseja. O objetivo do amor não é obter o que se quer, mas fazer algo pelo bem-estar daquele a quem se ama. É verdade, porém, que ao recebermos palavras elogiosas, de afirmação, tornamo-nos mais motivados a sermos recíprocos.

Além de elogios verbais, outra maneira de expressar palavras de afirmação é com palavras encorajadoras.
Em determinadas fases da vida todos nós nos sentimos inseguros. Não possuímos a coragem necessária, e esse medo impede-nos de realizarmos certos atos positivos que gostaríamos de concretizar nesse caso o encorajamento seria muito útil. Encorajamento requer empatia que nos leva a enxergar o mundo segundo a perspectiva do outro. Devemos, em primeiro lugar, procurar saber o que é importante para ele. Se desejamos desenvolver um relacionamento precisamos saber quais são os desejos de nossos amigos isso vale principalmente para quem é casado. Se queremos amar um ao outro, precisamos saber como fazê-lo.

A melhor coisa que podemos fazer com os fracassos do passado é torná-los em simples história. Sim, eles ocorreram, e machucaram. E talvez ainda magoem, mas conhecer seu erro e pedir perdão é um excelente antibiótico para a alma. O perdão não é um sentimento, mas um poderoso compromisso. É a opção de se mostrar misericórdia e não de se jogar a ofensa no rosto do ofensor. Perdão é uma expressão de amor.

Palavras humildes: quando alguém faz um pedido de favor para outro, afirma as habilidades dele. Faz entender que ele possui, ou pode fazer algo, que é significativo ou valioso. No entanto, quando dá ordens, torna-se um tirano. Seu subordinado ou amigo não se sentirá afirmado, mas diminuído.

Qualidade de Tempo (Fleumáticos)
Ter um tempo de qualidade com seu cônjuge. Querer ser alvo da sua atenção, que lhe dedique mais tempo e possam realizar algumas atividades juntos. Qualidade de tempo significa dedicar a alguém sua atenção.
O aspecto central da qualidade de tempo está ligado ao nível de amizade que se tem. Não quero dizer simples proximidade. Duas pessoas sentadas em uma mesma sala estão próximas, mas não necessariamente amigas. O estar junto tem a ver com o focalizar a atenção.
Uma conversa de qualidade deve envolver disposição para ouvir e aconselhar, quando solicitado, e jamais de forma arrogante. 

Dicas para uma conversa de qualidade:
- Procure olhar nos olhos (não fixar o olhar) quando ele lhe falar (ajuda a não divagar e comunica atenção);
- Não faça outra coisa enquanto está ouvindo;
- Escute o “sentimento”. Pergunte-se o tipo de emoção que o amigo sente no momento. Certifique-se de que seu pensamento está correto;
- Observe a linguagem corporal. Punhos cerrados, mãos trêmulas, lágrimas, cenho franzido, ou seja semblante ou rosto, isso é indicação de sentimentos;
- Recuse interrupções. Se eu lhe dedicar minha total atenção enquanto você fala, evitarei defender-me a fim de fazer-lhe acusações. Meu objetivo é perceber seus sentimentos e pensamentos. O alvo não é auto defender-me ou permitir que você ganhe uma discussão. A intenção é compreender o outro.

Atividades de qualidade: um dos pontos positivos das atividades de qualidade é que elas possibilitam o
armazenamento de um banco de memórias ao qual podemos nos reportar pelos anos futuros.

Dar  Presentes (Coléricos)
Antes de comprarmos um presente para alguém, pensamos naquela pessoa. O objeto em si é um símbolo daquele pensamento. Não importa se foi caro ou barato.

Símbolos visuais de amizade e amor são mais importantes para uns do que para outros. Temperamentos possuem linguagens de amor diferentes. Quem tem essa linguagem vive grandes emoções ao receber presentes. Vê neles expressões de amor. Sem lembranças como símbolos visuais, o amor ou amizade poderá até ser questionado. Se a primeira linguagem de seu amigo, namorada e casados for “receber presentes”, você deve se tornar um expert nessa área.

Não espere uma ocasião especial. Se esta for a primeira linguagem de seu de certas pessoas de seu convívio, praticamente tudo o que você lhe conceder será recebido como expressão de amor.
Se ele foi muito crítico em relação aos presentes que recebeu no passado, então essa é uma grande dica de que receber presentes não é a primeira linguagem de amor. Estar presente em tempos de crise, é o maior presente que se pode dar para uma pessoa cuja primeira linguagem de amor seja receber presentes.

Formas de Servir (Coléricos e Sanguíneos)
É fazer aquilo que você sabe que seu amigo gostaria que você fizesse. É procurar agradar realizando coisas que ele aprecia, expressando amor através de diversas formas de servir. Jesus deu uma ilustração simples, porém profunda, ao expressar amor através de uma forma de serviço quando lavou os pés dos discípulos.

Toque Físico (Sanguíneos e Coléricos)
Na amizade ou no casamento, o toque de amor existe em várias formas. Considerando-se que os receptores ao toque localizam-se por todo o corpo, um afago amoroso em qualquer parte pode comunicar amor, no casamento porém de maneira íntima.
Seu cônjuge ou amigo apreciará alguns toques mais do que a outros. Aprenda com ele.

Não insista em tocar de seu jeito e em seu tempo. Aprenda a falar o dialeto do outro, pois alguns toques podem ser considerados desconfortáveis ou irritantes. Não caia no erro de achar que o que lhe traz prazer também trará ao outro.
As crises propiciam uma oportunidade singular para se expressar amor. Toques afetuosos serão lembrados muito tempo ainda após as dificuldades terem passado. Porém, a ausência de seu toque talvez jamais seja esquecida.

Um gostoso cafuné, andar de mãos dadas, abraços apertados ou não, relações sexuais, tudo isso faz parte das necessidades de quem possui o “toque físico” como sua primeira linguagem de amor.

Egocentrismo
Os três aspectos a seguir estão diretamente relacionados ao ego humano; egocentrismo que é aquela parte através da qual desejamos ser conhecidos, reconhecidos, aplaudidos e realizados.

Bajulação:
É a arte de manipular os outros com palavras. É a arte de fazer elogios com a finalidade de seduzir as pessoas. É o poder hipnótico da língua para conquistar o que se deseja. A Bíblia relaciona o pecado de bajulação à impiedade, à falta de fé, ao orgulho, à maldade e a tudo que é vil.
Temos que ter em mente que o objetivo da bajulação é, em última análise, conquistar a opinião dos outros e ser elogiado por eles. O bajulador constrói uma fachada ou camuflagem, para parecer uma coisa, quando na verdade é outra. A bajulação é uma grande mentira. Todos os Temperamentos estão sujeitos a fazer uso da bajulação, pois bajulação não é Fraqueza de Temperamento e sim de uma gravíssima falha de Caráter. Contudo os temperamentos mais inclinados a fazer uso desse tipo de influência são: primeiramente os Sanguíneos e em seguida com menor intensidade os Coléricos.
A bajulação é como brasa... Apagada suja, acesa queima.

Exagero:
É um acréscimo que se traz á verdade como forma de chamar atenção. Logo, há uma mentira sobre os detalhes dos fatos. O exagerado é aquele que procura sempre tornar a informação mais sensacionalista e interessante. Suponhamos que você tenha um caso para contar, um bom caso, mas você pensa em enfeitá-lo, pois tornará você mais importante e valorizado. Assim você exagera. Toda vez que você conta a história novamente, aumenta um ponto nela. Pois contou a primeira vez e a reação dos outros foi boa. Aí você pensa: da próxima vez vou fazer pequenos acréscimos e a reação vai ser melhor ainda! Assim você vai acumulando exageros sobre exageros, de tal maneira que chega a hora que o que você está contando nunca aconteceu, são apenas acréscimos do fato, ou seja: mentiras! Também todos os Temperamentos estão sujeitos a fazer uso do exagero, que por sua vez está caracterizado como fraqueza Caráter. Dos quatro Temperamentos novamente os mais inclinados a fazer uso desse tipo de sensacionalismo são: primeiramente os Coléricos e em seguida com menor intensidade os Sanguíneos.

O exagero é um pecado que traz destruição às duas pedras fundamentais do relacionamento cristão: a credibilidade e confiança. O exagero é, portanto sinônimo de mentira, de fingimento, de dissimulação e de falsidade. Embora seja uma fraqueza também encontrada em todos os Temperamentos, é mais evidente no Colérico.
                                                                             
Vanglória:
É um elogio feito a si mesmo. É uma mentira encoberta. O termo vanglória vem de duas palavras gregas que significa “vazio” e “glória”, ou seja: a glorificação do vazio.

Logo, quando nós nos gloriamos, estamos apenas fazendo propaganda da nossa real nulidade, pois o que somos e o que fazemos só tem significado em Cristo Jesus!

Vanglória, essa é uma fraqueza de Temperamento encontrada em todos os Temperamentos; e se manifesta de maneira diferente de um para o outro, com mais ou menos intensidade e camuflagem, mas, o objetivo é o mesmo: a autopromoção. Toda pessoa de qualquer Temperamento possui esta fraqueza, mas está presente primeiramente no Colérico, depois no Sanguíneo, e seguida no Fleumático e por último no Melancólico.
      
Necessidades espirituais
Colérico: Amor; Paz; Bondade; Paciência; Humildade; Benevolência.
Sanguíneo: Fé; Abstinência; Autocontrole; Paciência; Paz; Bondade.
Fleumático: Amor; Bondade; Docilidade; Temperança; Fé.
Melancólico: Amor; Alegria; Paz; Bondade; Fé; Autocontrole.

Cada Temperamento possui suas necessidades espirituais, e buscará preenchê-lo de diversas maneiras, mas somente uma maneira poderá preenchê-lo verdadeiramente, e uma vez que se busque o caminho incorreto para preencher as necessidades os danos são catastróficos, pois, somente Deus na pessoa do Espírito Santo pode suprir todas as necessidades acima citadas, isso se a pessoa assim o quiser porque Deus não invade o emocional e a individualidade de ninguém.
Quando falamos de necessidades espirituais percebemos que a fé está presente em pelo menos três dos quatro Temperamentos, ou seja: Sanguíneo, Melancólico e Fleumático, isso não significa que todos de Temperamento Colérico não possuam esta necessidade, com certeza sim, contudo bem menos que os demais, e assim ocorre com todos os Temperamentos em relação às necessidades; uns mais outros menos e outros bem menos. A lista de necessidades espirituais acima descritas está na classificação do mais, ou seja, são necessidades fundamentais de cada Temperamento.

Alguns ingredientes para uma vida feliz são comuns a todos, como por exemplo, respeito, bom senso, dignidade, carinho e assim por diante. A receita de felicidade, porém, é diferente para cada indivíduo e precisa ser testada e aprovada em seu dia-a-dia. Não desista se na primeira tentativa "ela" não sair como o desejado, continue tentando sempre. Afinal, só podemos melhorar aquilo que conhecemos bem.

Colérico: Facilmente se magoa e dificilmente perdoa.
Melancólico: Dificilmente se magoa e dificilmente perdoa.
Sanguíneo: Facilmente se magoa, mas facilmente perdoa.
Fleumático: Dificilmente se magoa, mas facilmente perdoa.




Como se pode ver na tabela acima cada Temperamento pode ter no máximo seis combinações, com isso é possível entender ainda que muitas pessoas tendo o mesmo Temperamento dominante haverá diferenciação no aspecto psicofisiológico por causa dos Temperamentos subsequências  Isso facilita muito conhecermos as minúcias do porquê das reações emocionais, os estados de humor, e do Caráter, que embora seja a parte psicológica do ser humano é influenciado diretamente pelas forças e franquezas dos Temperamentos.

O que veremos a seguir nestas duas tabelas são Sequências de Temperamentos gêmeos, sendo assim podemos concluir que pessoas portadoras dos mesmos Temperamentos são parecidas nas reações emocionais; humor e no Caráter? Não, a tabela que veremos a seguir esclarecerá que pessoas com a mesma sequência Temperamentos são diferentes por causa da porcentagem que cada pessoa possui fazendo com que haja diferença nas forças e fraquezas de cada temperamento, Vejamos:


 A tabela abaixo esclarece que pessoas com a mesma sequência Temperamentos e com porcentagens idênticas também serão idênticas nas forças e fraquezas.


O Caráter nada tem a ver com o temperamento, são duas coisas distintas, um é aliado do outro, o Caráter que é formado de princípios e valores, desenvolvidos na pessoa no meio em que vive. Mesmo os chamados Temperamentos gêmeos são diferentes quando o Caráter é avaliado. Com uma boa avaliação de Caráter no modelo percentual aumenta ainda mais a diferença entre os indivíduos, imagine essa mesma avaliação aplicada em Temperamentos totalmente diferentes! Mesmo assim Temperamento nada tem a ver com Caráter, mas, ambos caminham paralelamente.

Agora que você sabe qual o seu Temperamento e aprendemos um pouco mais sobre cada um deles, destacando suas principais forças e fraquezas e vimos dicas sobre qual seria a receita ideal para ser feliz de acordo com o Temperamento dominante que possuímos, é importante lermos todas as definições, pois elas não só falam do que podemos fazer por nós mesmo, como qual a melhor maneira de nos relacionarmos com cada um dos Temperamentos de outras pessoas. Nem sempre será fácil, pois assim como há muitas compatibilidades entre os Temperamentos, também há diversas incompatibilidade que poderão suprimir possibilidades de entendimento e compreensão. Você alguma vez já disse:

            Não gosto daquela pessoa...
            Mas que cara chato...
            Acho tal pessoa insuportável...
Isso nada mais é do que sua incompatibilidade entrando em ação. Entretanto houve vezes em que você disse:
           Que pessoa agradável...
           Tal pessoa é muito divertida...
           Esse é o tipo de pessoa que eu gosto...
Isso nada mais é do que sua compatibilidade entrando em ação.

Jesus answered: I am the way 
and the truth and the life.
No one comes to the 

Father except through me.

terça-feira, 1 de março de 2016

PREDESTiNAÇÃO ou LiVRE ARBíTRiO




SOBRE A SALVAÇÃO

Visto sem dúvidas que a salvação vem de Deus e não de homens, a questão é, qual doutrina prevalece sobre essa questão: predestinação ou livre arbítrio? No Antigo Testamento vemos que o termo “desviar-se” ou voltar atrás ou rebeldia, alguém que abandonou ou afastou-se dos mandamentos de Jeová. No Novo Testamento as reprimendas contra tal atitude estão dispostas em outros termos: O desviado é a pessoa que antes tinha zelo de Deus, mas agora se tornou fria (Mateus 24:12); antes obedecia a Palavra, mas o mundanismo e o pecado impediram seu crescimento e frutificação (Mateus 13:22); antes pôs a mão ao arado, mas em um certo momento olhou para trás (Lucas 9:62); como a esposa de Ló, que havia sido salva da cidade da destruição... (Lucas 17:32); antes estava em relacionamento vital com Cristo, mas agora o relacionamento secou, tornou-se estéril e inútil espiritualmente (João 15:6); antes obedecia a voz da consciência, mas agora lançou para longe de si essa bússola que o guiava, e, como resultado, sua embarcação de fé destroçou-se nas rochas do pecado e do mundanismo (1ª Timóteo 1:19); antes alegrava-se em chamar-se cristão, mas agora se envergonha de confessar o seu Senhor (2ª Timóteo 1:8 - 3:12); antes estava liberto da contaminação do mundo, mas agora voltou como a porca lavada à lama  (2ª Pedro 2:22 - vide Lucas 11:21-26).

É impossível cair da graça; mas a questão é saber se a pessoa que era salva e teve esse lapso, pode finalmente perder-se. Aqueles que seguem a teologia calvinista respondem: é impossível cair da graça, é impossível perder-se. Mas, aqueles que seguem a teologia arminianista respondem: sim, é possível cair da graça, é possível perder-se.

Calvinismo

 A doutrina de João Calvino não foi criada por ele; foi ensinada por santo Agostinho, o grande teólogo do quarto século. Nem tão pouco foi criada por Agostinho, que afirmava estar interpretando a doutrina de Paulo sobre a livre graça (predestinação). 
Essa teologia diz que salvação é inteiramente de Deus; o homem absolutamente nada tem a ver com sua salvação. Se ele, o homem, se arrepender, crer e for a Cristo, é inteiramente por causa do poder atrativo do Espírito de Deus. Isso se deve ao fato de que a vontade do homem se corrompeu tanto desde a queda, que, sem a ajuda de Deus, não pode nem se arrepender, nem crer, nem escolher corretamente. Esse foi o ponto de partida de Calvino – a completa servidão da vontade do homem ao mal. A salvação, por conseguinte, não pode ser de outra coisa senão a execução dum decreto divino que fixa sua extensão e suas condições.
Naturalmente surge esta pergunta: se a salvação é inteiramente obra de Deus, e o homem não tem nada a ver com ela, e está desamparado, a menos que o Espírito de Deus opere nele, então, por que Deus não salva a todos os homens, posto que todos estejam perdidos e desamparados? A resposta de Calvino era: Deus predestinou alguns para serem salvos e outros para serem perdidos. A predestinação é o eterno decreto de Deus, pelo qual ele decidiu o que será de cada um e de todos os indivíduos. Pois nem todos são criados na mesma condição; mas a vida eterna esta preordenada para alguns, e a condenação eterna para outros.
Ao agir dessa maneira Deus não esta sendo injusto, pois ele não é obrigado a salvar ninguém; a responsabilidade do homem permanece, pois a queda de Adão foi sua própria falta, e o homem sempre é responsável pelos seus pecados.
Posto que Deus predestinasse certos indivíduos para a salvação, Cristo morreu unicamente pelos eleitos; a expiação fracassaria se alguns pelos quais Cristo morreu se perdessem.
Dessa doutrina da predestinação segue-se o ensino de uma vez salvo sempre salvo; porque se Deus predestinou uns para a salvação, então, nunca pode perder-se porque unicamente para ele a graça de Deus é irresistível pela qual é salvo e guardado.

Os defensores da teologia da segurança eterna apresentam as seguintes referencias para sustentar sua posição:

Eu lhes dou a vida eterna; jamais perecerão, e ninguém as arrebatará da minha mão. Aquilo que meu Pai me deu é maior do que tudo; e da mão do Pai ninguém pode arrebatar.
João 10:28, 29.

Porque os dons e a vocação de Deus são sem arrependimento. 
Romanos 11:29.

Tendo por certo isto mesmo, que aquele que em vós começou a boa obra a aperfeiçoará até ao dia de Jesus Cristo.
Filipenses 1:6.

Que mediante a fé estais guardados na virtude de Deus para a salvação, já prestes para se revelar no último tempo... 
1ª Pedro 1:5.

Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação,           
ou a angústia, ou a perseguição, ou a fome ou a nudez, ou o perigo ou espada?                                                         
Romanos 8:35.

Manifestei o teu nome aos homens que do mundo que tu deste; eram teus, e tu me deste, e guardaram a tua Palavra.                                                                  
João 17:6.

Arminianismo

A teologia do livre arbítrio diz que A vontade de Deus é que todos os homens sejam salvos, porque Cristo morreu por todos. (1ª Timóteo 2:4-6; Hebreus 2:9; 2ª Coríntios 5:14; Tito 2:11, 12). Com essa finalidade ele oferece sua graça a todos. Embora a salvação seja obra de Deus, absolutamente livre e independente de nossas boas obras ou méritos o homem tem certas condições a cumprir. Ele pode escolher aceitar a graça de Deus, ou pode resistir e rejeita-la. Seu direito de livre arbítrio sempre permanece.
As Escrituras certamente ensinam uma predestinação, mas não que Deus predestina alguns para a vida eterna e outros para o sofrimento eterno. Ele predestina a todos os que querem, a serem salvos – e esse plano é bastante amplo para incluir a todos que realmente desejam ser salvos. Essa verdade tem sido explicada da seguinte maneira: na parte de fora da porta da salvação lemos as palavras quem quiser pode vir; quando entramos por essa porta e somos salvos, lemos as palavras no outro lado da porta: eleitos segundo a presciência de Deus. Deus em razão do seu conhecimento previu que essas pessoas aceitariam o evangelho e permaneceriam salvos, e predestinou para as mesmas uma herança celestial. Ele previu o destino delas.
A doutrina da predestinação é mencionada, não com propósito especulativo, e, sim, com propósito prático. Quando Deus chamou a Jeremias ao ministério, ele sabia que o profeta teria uma tarefa muito difícil e poderia ser tentado a deixa-la. Para encorajá-lo, o Senhor assegurou ao profeta que o havia conhecido e o havia chamado antes de nascer (Jeremias 1:5). Antes que eu te formasse no ventre te conheci, e antes que saísses da madre te santifiquei; às nações te dei por profeta. Com efeito, o Senhor disse: Já sei o que está adiante de ti, mas também sei que posso te dar graça suficiente para enfrentares todas as provas futuras e conduzir-te à vitória. Quando o Novo Testamento descreve os cristãos como objetos da presciência de Deus, seu propósito é dar-nos certeza do fato de que Deus previu todas as dificuldades que surgirão à nossa frente, e que Ele pode nos guardar e nos guardará de cair. (A não ser que se caia, e depois escolha permanecer caído).

Comparando As Duas Teologias

A salvação é condicional ou incondicional? Uma vez salva, a pessoa é salva eternamente? A resposta dependerá de como responderemos à seguinte pergunta: De quem depende a salvação?

De quem depende a salvação: de Deus ou do homem? Certamente depende de Deus, porque, quem poderia ser salvo se a salvação dependesse da força da própria pessoa? Contudo pode-se resistir à graça de Deus? As escrituras ensinam constantemente que o homem tem o poder de escolher livremente entre a vida e a morte, e Deus nunca violará esse poder.

Um dos princípios fundamentais do Calvinismo é que a graça de Deus é irresistível. Quando Deus decreta a salvação de uma pessoa, Seu Espírito atrai, e essa atração não pode ser resistida. Portanto um verdadeiro filho de Deus certamente perseverará até ao fim, pois é salvo; ainda que caia no pecado, e permaneça nele, Deus o castigará e pelejará com ele. Ilustrando a teoria calvinista diríamos: é como se alguém estivesse a bordo dum navio, e levasse um tombo; contudo está a bordo ainda; não caiu ao mar.

Mas o Novo Testamento ensina, sim, que é possível resistir à graça divina e resistir para a perdição eterna (João 6:40; Hebreus 6:46; 10:26-30; 2ª Pedro 2:21; Hebreus 2:3; 2ª Pedro 1:10) e que a perseverança é condicional dependendo de manter-se em contato com Deus.
Percebe-se especialmente em Hebreus 6:4-6 e 10:26-29. Essas palavras foram dirigidas a cristãos; as epistolas de Paulo não foram dirigidas aos não-regenerados. Aqueles aos quais foram dirigidas são descritos como havendo sido uma vez iluminados, havendo provado o dom celestial, participantes do Espírito Santo, havendo provado a boa Palavra de Deus e as virtudes do século futuro. Essas palavras certamente descrevem pessoas regeneradas. Aqueles aos quais foram dirigidas essas palavras eram cristãos hebreus, que desanimados e perseguidos     (Hebreus 10:32-39), estavam tentados a voltar ao Judaísmo. Antes de serem recebidos novamente na sinagoga, requeria-se deles que, publicamente, fizessem as seguintes declarações (Hebreus 10:29): que Jesus não era o filho de Deus; que seu sangue havia sido derramado justamente como o dum malfeitor comum; e que seus milagres foram operados pelo poder do maligno. Tudo isso está implícito em Hebreus 10:29. (Que tal repúdio da fé podia haver sido exigido é ilustrado pelo caso de um cristão hebreu na Alemanha, que desejava voltar à sinagoga, mas foi recusado porque desejava conservar algumas verdades do Novo Testamento). Antes de sua conversão havia pertencido à nação que crucificou a Cristo; voltar à sinagoga seria de novo crucificar a Filho de Deus e expô-lo ao vitupério; seria o terrível pecado da apostasia (Hebreus 6:6); seria como o pecado imperdoável para o qual não há remissão, porque a pessoa que está endurecida a ponto de cometê-lo não pode ser renovada para o arrependimento; seria digno dum castigo mais terrível do que a morte (Hebreus 10:28); e significa incorrer na vingança do Deus vivo (Hebreus 10:30, 31). Não se declara que alguém houvesse ido até esse ponto; de fato, o autor está persuadido de coisas melhores (Hebreus 6:9). Contudo, se o terrível pecado da apostasia da parte de pessoas salvas não fosse ao menos remotamente possível, todas essas admoestações não careceriam de qualquer fundamento.

Em 1ª Coríntios 10:1-12. Os Coríntios se haviam jactado de sua liberdade cristã e da possessão dos dons espirituais. Entretanto, muitos estavam vivendo num nível muito pobre de espiritualidade. Evidentemente eles estavam confiando em sua posição e privilégios no evangelho. Mas Paulo os adverte de que os privilégios podem perder-se pelo pecado, e cita os exemplos dos israelitas. Estes foram libertos duma maneira sobrenatural da terra do Egito, por intermédio de Moisés, e, como resultado, o aceitaram como seu chefe durante a jornada para a Terra da Promissão. A passagem pelo Mar Vermelho foi um sinal de sua dedicação à direção de Moisés. Cobrindo-os estava a nuvem, o símbolo sobrenatural da presença de Deus que os guiava. Depois de salva-los do Egito, Deus os sustentou, dando-lhes, de maneira sobrenatural, o que comer e beber. Tudo isso significava que os israelitas estavam em graça, Isto é: no favor e na comunhão com Deus.

Mas uma vez em graça sempre em graça não foi verdade no caso dos israelitas, pois a rota de sua jornada ficou assinalada com as sepulturas dos que foram destruídos em conseqüência de suas murmurações, rebelião e idolatria. O pecado interrompeu sua comunhão com Deus, e, como resultado, caíram da graça. Paulo declara que esses eventos foram registrados na Bíblia para advertir os cristãos quanto à possibilidade de perder os mais sublimes privilégios por meio do pecado deliberado.

Pode Haver Algum Equilíbrio
Bíblico Entre Essas Duas Doutrinas?

As respectivas posições fundamentais, tanto do Calvinismo como do Arminianismo, são ensinadas nas Escrituras. O Calvinismo exalta a graça de Deus como única fonte de salvação – e assim o faz a Bíblia; o Arminianismo acentua a livre vontade e responsabilidade do homem – e assim o faz a Bíblia. A solução prática consiste em evitar os extremos antibíblicos de um e de outro ponto de vista, e evitar colocar idéias (doutrinas Bíblicas) em aberto antagonismo, pois, quando isso é feito o resultado é uma reação que conduz ao erro. Por exemplo: a ênfase demasiada à soberania e à graça de Deus na salvação pode conduzir a uma vida descuidada, porque se a pessoa é ensinada a crer que conduta e atitude nada têm a ver com sua salvação, pode tornar-se negligente. Por outro lado, a ênfase demasiada sobre a livre vontade e responsabilidade do homem, como reação contra o Calvinismo, pode trazer as pessoas sob o jugo do legalismo e despojá-las de toda confiança de sua salvação. Os dois extremos que devem ser evitados são: a ilegalidade e o legalismo.
           Quando Carlos Finney ministrava em uma comunidade onde a graça de Deus havia recebido excessiva ênfase, ele acentuava a muito a responsabilidade do homem. Quando dirigia trabalhos em localidades onde a responsabilidade humana e as obras haviam sido fortemente defendidas, ele acentuava a graça de Deus. Quando deixamos os mistérios da predestinação e nos damos à obra prática de salvar as almas, não temos dificuldades com o assunto, João Wesley era arminiano e George Whitefield calvinista. Entretanto, ambos conduziram milhares de alma a Cristo.
           Pregadores piedosos calvinistas, do tipo de Carlos Spurgeon e Carlos Finney, pregaram a perseverança dos santos de tal modo a evitar a negligência. Eles tiveram muito cuidado de ensinar que o verdadeiro filho de Deus certamente perseveraria até ao fim, mas acentuaram que se não perseverassem, poriam em dúvida o fato do seu novo nascimento. Se a pessoa não procurasse andar na santidade, dizia Calvino, bem faria em duvidar de sua eleição.
           É inevitável defrontarmo-nos com mistérios quando nos propomos tratar as poderosas verdades da presciência de Deus e a livre vontade (livre arbítrio - vontade própria - volição) do homem; mas se guardarmos as exortações práticas das Escrituras, e nos dedicarmos a cumprir os deveres específicos que se nos ordenam, não erraremos. As coisas encobertas são para o Senhor Deus, porem as reveladas são para nós (Deuteronômio 29:29).

           Para concluir essa parte podemos sugerir que não é prudente insistir falando indevidamente dos perigos da vida cristã. Maior ênfase deve ser dada aos meios de segurança – o poder de Cristo como Salvador; a fidelidade do Espírito Santo que habita em nós, a certeza das divinas promessas, e a eficácia infalível da oração. O Novo Testamento ensina uma verdadeira segurança eternaassegurando-nos que, a despeito da debilidade, das imperfeições, obstáculos ou dificuldades exteriores, o cristão pode estar seguro e ser vencedor em Cristo. Ele pode dizer como o Apóstolo Paulo: quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação, ou a angústia, ou a perseguição, ou a fome, ou a nudez, ou o perigo, ou a espada? Como está escrito: Por amor de ti somos entregues à morte o dia todo; fomos considerados como ovelhas para o matadouro. Mas em todas estas coisas somos mais que vencedores, por aquele que nos amou. Porque estou certo de que, nem a morte, nem a vida, nem anjos, nem principados, nem coisas presentes, nem futuras, nem potestades, nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor. (Romanos 8:35-39)
  

PREDESTINAÇÃO
 Muito já foi ensinado, publicado e debatido sobre Predestinação e Livre Arbítrio. O assunto é tão sério e polêmico que no passado chegou a ser até mesmo motivo de separação religiosa e preconceito denominacional, e, embora atualmente o assunto não seja muito discutido, o mesmo não se pode dizer de divulgações literárias quer contra ou a favor, temos que considerar alguns fatores:
           Para muitos um tema desconhecido, para outros um tema ignorado, e, para alguns um tema teológico digno de ser estudado.
           Como já vimos muito pouco há de equilíbrio Escriturístico entre esses dois temas teológicos, e para melhor entendermos Predestinação ou Livre Arbítrio, passaremos então a estudá-los com mais profundidade.

Deus Fez Predestinação?

           Para darmos inicio a este estudo, é necessário fazermos as seguintes perguntas: A Bíblia fala sobre predestinação? Sim a Bíblia fala de predestinação e o que significa predestinação? Significa determinar o futuro. Encontramos na Bíblia três povos foram predestinados, que são:

1.    Deus predestinou a semente de Abraão a ser uma poderosa nação para conquistar a terra prometida:
           
Ora, o Senhor disse a Abrão: Sai da tua terra, da tua parentela, e da casa de teu pai, para a terra que eu te mostrarei. Eu farei de ti uma grande nação; abençoar-te-ei, e engrandecerei o teu nome; e sê tu, uma bênção. Abençoarei aos que te abençoarem, e amaldiçoarei àquele que te amaldiçoar; e em ti serão benditas todas as famílias da terra. Gênesis 12:1-3
                                                                                                                  
           Deus fala para Abraão nesta passagem: Sai da tua terra, da tua parentela, e da casa de teu pai, para a terra que eu te mostrarei. Com isso Deus está determinado o futuro da semente de Abraão isto é determinando que Israel possuísse a terra prometida, e também determinou que um dia Israel vai reconhecer que Jesus é o Messias.

2.    Deus predestinou também os ímpios, ou seja, o futuro dos ímpios que é a condenação eterna, já está determinado, isso se eles não crerem e receberem a Jesus como único salvador.

Os ímpios irão para o Seol, sim, todas as nações que se esquecem de Deus. Salmo 9:17.
Condenou-as à destruição as cidades de Sodoma e Gomorra, reduzindo a cinza havendo-as posto para exemplo aos que vivessem impiamente. 2ª Pedro 2:6.

3.    Deus predestinou a Igreja, cuja mesma está predestinada a ir para o céu. Somente os que fazem parte da Igreja que são os que aceitaram a Jesus como único e suficiente salvador e abandonaram o viver ímpio tem o direito em Cristo à vida eterna, (salvação).

Porque o Senhor mesmo descerá do céu com grande brado, à voz do arcanjo, ao som da trombeta de Deus, e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro. 1ª Tessalonicenses 4:16.

           Verdadeiramente não creio em uma predestinação fatalista, onde Deus já fez escolhas antecipadas de quem vai para o céu ou quem vai para o inferno, acredito sim que a igreja vai para o céu, creio também que as pessoas que vivem no pecado vão para o inferno, e em relação a Israel entende-se claramente que a predestinação para este povo, uma parte já aconteceu que foi ter conquistado Canaã e a outra ainda vai acontecer, que é Israel reconhecer Jesus como o Messias. Inadmissível é acreditar que Deus já fez escolhas individuais de quem vai para o céu e quem vai para o inferno, e analisando isto, começaremos então expor alguns acontecimentos sobre essa questão, primeiramente sobre escolha de Deus.

Deus Faz Escolhas?

           Na Bíblia encontramos Deus fazendo 4 tipos de escolha, que são:

1.    Deus escolheu Jesus:

Para que se cumprisse o que foi dito pelo profeta Isaías: (Isaias 42:1)
Eis aqui o meu servo que escolhi o meu amado em quem a minha alma se compraz; porei sobre Ele o meu Espírito, e Ele anunciará aos gentios o juízo. Mateus 12:17, 18.

           Foi escolhido para vir aqui (em Israel) pagar o preço por nós. Porque eu desci do céu, não para fazer a minha vontade, mas à vontade daquele que me enviou. João 6:38.

2.    Deus escolheu Israel:

 Com tríplice propósito:

     1º - Para manifestar o poder de Deus.
     2º - Para trazer a Palavra de Deus.
     3º - Para manifestar o Messias no mundo.
           Isto não tem nada haver com salvação individual. Esse é o problema daqueles que acreditam em predestinação fatalista, eles misturam os textos, pois aquilo que está falando de uma escolha de Deus para propósitos, eles fazem confusão com salvação ou perdição.

3.    Deus escolheu a Igreja:

Com vários propósitos, porém mencionaremos apenas três:

     1º- Deus escolheu a Igreja para manifestar o evangelho da graça ao mundo perdido: Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as grandezas daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz; vós que outrora nem éreis povo, e agora sois de Deus; vós que não tínheis alcançado misericórdia, e agora a tendes alcançado. 1ª Pedro 2:9, 10.

     2º - Deus escolheu a Igreja para produzir frutos: Para produzir frutos neste mundo corrompido pelo pecado, frutos que possam demonstrar que existe um Deus vivo e verdadeiro. Vós não me escolhestes a mim, mas eu vos escolhi a vós, e vos designei, para que vades e deis frutos, e o vosso fruto permaneça, a fim de que tudo quanto pedirdes ao Pai em meu nome, ele vo-lo conceda. João 15:16.

     3º - Deus escolheu a Igreja para demonstração visível do poder e autoridade Dele: Para que agora seja manifestada, por meio da Igreja, aos principados e potestades nas regiões celestes... Efésios 3:10. O que Paulo está querendo dizer com isto? Na verdade ele esta querendo dizer de maneira compreensível que quando satanás olha para terra ele diz: Isto aqui é meu, aquilo lá também é meu, ou seja, a ganância pelo dinheiro os prostíbulos, os adultérios, a corrupção, mas, quando ele olha e vê a Igreja... A Igreja e uma demonstração visível do poder e autoridade de Deus e, portanto satanás não tem domínio sobre ela e sim o contrário.

Deus escolheu e ainda hoje escolhe homens:

 Para compromissos vocacionais e ministeriais.

E ele deu uns como apóstolos, e outros como profetas, e outros como evangelistas, e outros como pastores e mestres...  Efésios 4:11.

           Este tipo de escolha de Deus, não é escolha para salvação. Deus escolhe quem Ele quer para desempenhar seus desígnios e propósitos. Tendo em vista o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo.
           E por falta de conhecimento, de hermenêutica e sabe-se lá mais o que... Que os que crêem na predestinação fatalista usam do texto de Jeremias 1:5 para provar sua teologia da predestinação – neste texto Deus não escolhe Jeremias destinando-o para salvação eterna, mas, para ser um profeta, para um desempenho ministerial.

Antes que eu te formasse no ventre te conheci, e antes que saísses da madre te santifiquei; às nações te dei por profeta. Jeremias 1:5.


           Deus escolhe também a Moises em Êxodo 3:10 para ir e libertar o povo cativo no Egito. Agora, pois, vem e eu te enviarei a Faraó, para que tireis do Egito o meu povo, os filhos de Israel.               Êxodo 3:10.
           Deus escolheu Davi em 1ª Samuel 16:1. Deus não escolheu Davi para salvação e sim para ser rei, para desempenhar um propósito dentro do seu grande plano.

Então disse o Senhor a Samuel: Até quando terás dó de Saul, havendo-o eu rejeitado, para que não reine sobre Israel? Enche o teu vaso de azeite, e vem; enviar-te-ei a Jessé o belemita, porque dentre os seus filhos me tenho provido de um rei. 1ª Samuel 16:1.


Deus É Soberano Ele Escolhe Quem Ele Quer

           Deus sabendo que o homem iria pecar. Providenciou um plano, que garantiria salvação à pessoa que decidisse aceitar tal plano.

Como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis diante dele em amor; e nos predestinou para sermos filhos de adoção por Jesus Cristo, para si mesmo, segundo o beneplácito de sua vontade. Efésios 1:4, 5.

           É isso exatamente o que quer dizer Apocalipse 13:8. Paulo usa uma linguajem similar, que significa que, ao aceitarmos Jesus Cristo hoje, passamos a participar de um plano que foi elaborado antes da fundação do mundo.          
           Veja que o texto de Efésios 1:4, 5 mostra claramente que eleição precede a predestinação  (nos elegeu nele para depois sermos predestinado). Somente aquele que está em Cristo está predestinado ao céu, ou seja, não é Deus quem me predestina e sim eu mesmo depois tomar posse da salvação para qual fui eleito em Cristo, e se permanecer no Corpo.

E adorá-la-ão (satanás, besta, dragão) todos os que habitam sobre a terra, esses cujos nomes não estão escritos no livro do Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo. Apocalipse 13:8.
           Como texto sem contexto é pretexto para heresia, é preciso em certos textos fazer uma analise semântica, sendo assim, se faz necessário fazer a seguinte pergunta, para quem Paulo escreveu esta passagem? Paulo escreveu para alguma pessoa em particular ou para a igreja? Para a Igreja sem dúvida.
           Todas as vezes que o Novo Testamento fala em predestinação; pronomes, substantivos e verbos estão no plural, não se encontra uma passagem no singular, isso porque, os textos estão falando da Igreja. Quem está na Igreja vai para o céu, quem não esta na Igreja vai para o inferno. A Igreja está predestinada a ir para o céu, quer eu e você estejamos nela ou não.

Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as grandezas daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz; vós que outrora nem éreis povo, e agora sois de Deus; vós que não tínheis alcançado misericórdia, e agora a tendes alcançado. 1ª Pedro 2:9, 10.

           Não está falando de alguém ou de algumas pessoas em particular, e sim da Igreja.
Porque os que dantes conheceu, também os predestinou; para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos; e aos que predestinou, a estes também chamou; e aos que chamou, a estes também justificou; e aos que justificou, a estes também glorificou. Romanos 8:29, 30.

           Se Paulo é o grande teólogo da predestinação fatalista, e se Deus já fez uma seleção de quem vai para o céu ou para o inferno, Paulo quando fala dele mesmo, as conjugação tem que ser de que tudo já está garantido,vejamos: Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão adiante, prossigo para o alvo pelo prêmio da vocação celestial de Deus em Cristo Jesus. Fp 3:13, 14. Se Paulo acreditasse na predestinação fatalista quando falasse dele mesmo, teria que dizer: já alcancei.

Todavia, a mim mui pouco se me dá de ser julgado por vós, ou por qualquer tribunal humano; nem eu tampouco a mim mesmo me julgo. Porque, embora em nada me sinta culpado, nem por isso sou justificado; pois quem me julga é o Senhor. Portanto nada julgueis antes do tempo, até que venha o Senhor, o qual não só trará à luz as coisas ocultas das trevas, mas também manifestará os desígnios dos corações; e então cada um receberá de Deus o seu louvor. 1ª Co. 4:3-5.

           Quando Paulo diz: em nada me sinto culpado, glória a Deus por isso, pois o crente não tem complexo de culpa em relação a pecado, pois, está escrito dos teus pecados (pecado confessado) não me lembrarei mais. E quanto a fato de que Paulo não se considerava justificado é que ele crê na possibilidade de ficar reprovado (perder a salvação).

Antes subjugo o meu corpo, e o reduzo à submissão, para que, depois de pregar a outros, eu mesmo não venha a ficar reprovado. 1ª Coríntios 9:27.

           Quem está na Igreja vai para o céu, quem está fora é potencialmente um candidato ao inferno.

Vejamos Romanos 9:13 - Como está escrito: Amei a Jacó, e aborreci a Esaú... Porque diz a Moisés: Terei misericórdia de quem me aprouver ter misericórdia, e terei compaixão de quem me aprouver ter compaixão. Assim, pois, isto não depende do que quer, nem do que corre, mas de Deus que usa de misericórdia. Texto muito usado pelos os que crêem na predestinação fatalista. Como já dissemos texto sem contexto é pretexto para heresia. É preciso entender a divisão do livro de Romanos, se não houver entendimento certamente haverá algum tipo distorção.

           Para entendermos claramente temos que saber que o livro de Romanos trata da justificação, podendo existir uma pequeníssima discordância, mas no fundo trata da justificação, mas isso não influência na divisão do livro, sendo assim, vejamos em quais e quantas partes se dão está divisão:

Divisão Do Livro De Romanos

1ª P a r t e :
Do capitulo 1:1- 17. Introdução.
E no verso 16 e 17 encontramos o tema do livro de Romanos, o mini Romanos, este texto diz que Jesus Cristo que é justiça de Deus é a única solução contra o pecado, que só é obtido pela fé.

2ª P a r t e:
Do capitulo 1:18 ao 4:25. Trata de justificação.

3ª P a r t e:
Do capitulo 5 ao 8. Trata de salvação.

4ª P a r t e:
Compreende os capítulos 9, 10 e 11.
Trata de eleição e predestinação de Israel.

5ª P a r t e:
Do capitulo 12 ao 15. Exortação.

6ª P a r t e:
No final do capitulo 15 e do capitulo 16:24.

Epílogo. (considerações finais).
           Quando se fala de justificação, que vai do capitulo 1:18 ao 4:25. Entendemos que a questão do pecado e da justificação é universal, pois, tanto os judeus como gentios estão sobre o domínio do pecado e, portanto a ira de Deus está sobre eles, e, só tem um meio de escapar dessa ira: pela fé ser justificado pelo sangue de Jesus.
           E quanto aos capítulos 9,10 e 11 falam de Israel, e não escolha para salvação, e estes três capítulos podemos ainda dividi-los em 3 partes:

           Capitulo 9 – trata da escolha de Deus acerca de Israel no passado, com tríplice propósito, como já vimos que foi para manifestar o poder e a palavra de Deus, e o Messias ao mundo. Quando Deus diz: Amei a Jacó e aborreci a Esaú, temos que fazer a seguinte pergunta: Quem é que Jacó representa? Representa Israel. Assim como, Esaú representa os Edomitas, que a começar por Esaú este povo foi o povo que mais misturas fez como outros povos, um povo perverso inclinado para impiedades, todo tipo de depravações, e que também se levantou conta Israel. 

Ora, quando Esaú tinha quarenta anos, tomou por mulher a Judite, filha de Beeri, o heteu e a Basemate, filha de Elom, o heteu. E estas foram para Isaque  e Rebeca umas amarguras de espírito. Gênesis 26:34.

Vendo também Esaú que as filhas de Canaã eram más aos olhos de Isaque seu pai, foi-se Esaú a Ismael e, além das mulheres que já tinha, tomou por mulher a Maalate, filha de Ismael, filho de Abraão, irmã de Nebaiote. Gênesis 28:8-9.

Mas quando Israel subiu do Egito, andou pelo deserto até o Mar Vermelho, e depois chegou a Cades; dali enviou mensageiros ao rei de Edom, a dizer-lhe: Rogo-te que me deixes passar pela tua terra. Mas o rei de Edom não lhe deu ouvidos... Juízes 11:16-17a.

           O capitulo 9 não trata de salvação, está tratando da escolha que Deus fez por Israel com aquele tríplice propósito.

           Capitulo 10 – Mostra o fracasso de Israel rejeitando o Messias.
     
           Capitulo 11 – Mostra a restauração de Israel pelo poder de Deus, e que Israel está ocupando um segundo plano até que a plenitude dos gentios se cumpra. A Igreja tem a primazia.
           
           Usar destes textos e ensina-los com a finalidade de estabelecer verdades sobre um tipo de predestinação que a Bíblia não ensina, é deturpar a hermenêutica Bíblica.

*Hermenêutica é a ciência da interpretação da Bíblia.

*Exegese é a ciência da interpretação do texto.

           Sem a aplicação desses princípios de interpretação, é difícil ter uma compreensão correta e interpretativa, tornando-se fácil inclinar-se para algum tipo de confusão teológica.

Salvação na Bíblia é para quem obedece:

...tendo sido aperfeiçoado, veio a ser autor de eterna salvação para todos os que lhe obedecem... Hebreus 5:9.

Vede irmãos, que nunca se ache em qualquer de vós um perverso coração de incredulidade, para se apartar do Deus vivo; antes exortai-vos uns aos outros todos os dias, durante o tempo que se chama Hoje, para que nenhum de vós se endureça pelo engano do pecado; porque nos temos tornado participantes de Cristo, se é que guardamos firme até o fim a nossa confiança inicial;  enquanto se diz: Hoje, se ouvirdes a sua voz, não endureçais os vossos corações, como na provocação; pois quais os que, tendo-a ouvido, o provocaram? Não foram, porventura, todos os que saíram do Egito por meio de Moisés? E contra quem se indignou por quarenta anos? Não foi porventura contra os que pecaram cujos corpos caíram no deserto? E a quem jurou que não entrariam no seu descanso, senão aos que foram desobedientes? E vemos que não puderam entrar por causa da incredulidade. Hebreus 3:12-19.

Porque aprouve a Deus que nele habitasse toda a plenitude, e que, havendo por ele feito a paz pelo sangue da sua cruz, por meio dele reconciliasse consigo mesmo todas as coisas, tanto as que estão na terra como as que estão nos céus. A vós também, que outrora éreis estranhos, e inimigos no entendimento pelas vossas obras más, agora, contudo vos reconciliou no corpo da sua carne, pela morte, a fim de perante ele vos apresentar santos, sem defeito e irrepreensíveis, se é que permaneceis na fé, fundados e firmes, não vos deixando apartar da esperança do evangelho que ouvistes, e que foi pregado a toda criatura que há debaixo do céu, e do qual eu, Paulo, fui constituído ministro. Colossenses 1:19-23.

A Salvação Está Garantida?

          Se Deus já fez escolhas antecipadas de quem vai para o céu ou para o inferno? E que uma vez salvo, salvo para sempre? Então porque vou passar a vida inteira privando minha carne de certos prazeres que ela tanto gosta, mas, que são proibidos segundo a Bíblia? Porque vou dispor meu tempo em exortar os cristãos que vivem na desobediência, se jamais poderão perder a salvação? Ou ainda porque tenho que ir a Igreja ou permitir ser exortado pela Palavra e estimar honrar e amar os que presidem autoridade sobre mim?   (1ª Tessalonicenses 5:12, 13); porque vou devolver o dízimo primiciar e ofertar, meditar na Bíblia, orar, jejuar e amar os irmãos (1ª Pedro 1:22) principalmente aqueles que são problemáticos, maledicentes, mentirosos, dissimulados...? Porque devo então, pregar o evangelho, se Deus já fez escolhas antecipadas acerca da salvação? Afinal aqueles a quem Ele escolheu para a salvação, quer tenham ou não se convertido; quer vivam no pecado ou não, se é um predestinado tem a vida eterna garantida.
           A teoria da predestinação fatalista nos dá uma ideia de que Deus é um manipulador, e que nós somos simplesmente marionetes em suas mãos.
           Deus não é Deus de marionetes, Deus é Deus de pessoas que tem em si mesmas a capacidade de fazer escolhas.
           “Alguém disse certa vez que aquele que nasceu de novo tornado-se Cristão não peca mais, e se peca é porque ainda não se converteu.”
           Muitas vezes por não entendermos determinadas coisas tendemos a criar ou desenvolver explicações para as mesmas que são contrárias aos ensinamentos Bíblicos. É preciso entender que existe uma diferença enorme entre novo nascimento e convenção, embora estejam ligados entre si, e um não existe sem o outro; o novo nascimento é instantâneo bastando para isso confessar e crer (Romanos 10:9), enquanto que a convenção é um processo, isso porque, ninguém se torna um cristão verdadeiramente maduro do dia para noite, é preciso tempo, é claro que alguns amadurecerão mais rápidos outros não, mas ambos estão no processo de convenção, (1ª Pedro 2:2).
           É necessário ser receptivo às Escrituras e cumpridor da mesma, pois todos os dias teremos que tomar decisões, ou seja, obedecer ou desobedecer? Para o novo nascido que se encontra na condição e bebe na fé, tanto para ele quanto para o cristão maduro a desobediência não será sua única opção, isso porque somos indivíduos capazes de fazer escolhas estejam elas certas ou erradas.
            Tanto no Antigo como no Novo Testamento, a salvação está não ordem da obediência é da fé, e a condenação está na ordem da incredulidade e da desobediência. Em toda a Bíblia é assim.

Ora, estas coisas nos foram feitas para exemplo, a fim de que não cobicemos as coisas más, como eles cobiçaram. Não vos torneis, pois, idólatras, como alguns deles, conforme está escrito: O povo assentou-se a comer e a beber, e levantou-se para folgar. Nem nos prostituamos, como alguns deles fizeram; e caíram num só dia vinte e três mil. E não tentemos o Senhor, como alguns deles O tentaram, e pereceram pelas serpentes. E não murmureis, como alguns deles murmuraram, e pereceram pelo destruidor. Ora, tudo isto lhes acontecia como exemplo, e foi escrito para aviso nosso, para quem já são chegados os fins dos séculos.  Aquele, pois, que pensa estar em pé, cuide para que não caia. 1ª Coríntios 10:1-12.
    
           Neste texto, Paulo faz um paralelo entre a Igreja e Israel; ele faz uma relação dos pecados que Israel cometeu no deserto, tais como: Cobiça, idolatria, prostituição e murmuração.
           Mais de dois milhões de pessoas saíram do Egito, todavia apenas duas entraram na terra prometida. Deus está dizendo com isso, que se nós também vivermos na pratica do pecado, ficaremos prostrados fora da Canaã Celestial (Céu), onde só entra quem for fiel.
           E porque, aquelas pessoas que saíram do Egito, morreram todas no deserto, a promessa feita por Deus a Abraão foi invalidada? De maneira alguma, isso porque Deus não fez uma promessa individual (pessoal), mas, para um povo. A promessa que foi feita a Abraão em Gênesis 12 se cumpriu em Josué 3, levou aproximadamente 500 anos, e apesar de mais de dois milhões de pessoas terem ficado prostradas no deserto, Israel entrou em Canaã; Deus não tem compromisso com o incrédulo e desobediente. Deus predestinou Israel a entrar em Canaã, e Israel entrou.
           E com a Igreja é a mesma coisa, quem obedece vai para o céu, quem prefere viver na desobediência vai para o inferno, a coisa é tão seria que Paulo faz uma recomendação a Igreja diz: Aquele, pois, que pensa estar em pé, cuide para que não caia (perca o rumo) (saia do plano). A Igreja está predestinada ao céu.
           Se Paulo era um eleito e predestinado, porque ele orava e pedia oração por onde passava, se a predestinação fatalista fosse uma verdade, a oração seria a coisa mais desnecessária no meio da Igreja.
           Essa doutrina de escolha antecipada de Deus, além de maldita leva o homem a uma falsa segurança de salvação. A Bíblia é confiável, e nela, o lugar onde houve maior manifestação do poder de Deus foi no deserto, o que isso quer dizer? Isso quer dizer que manifestação do poder de Deus não significa que Ele está aprovando atitudes. Deus não tem pacto com o pecado.

LIVRE ARBÍTRIO
                  
“Livre arbítrio é sempre escolher fazer a vontade de Deus” está tem sido a definição de livre arbítrio que certos teólogos têm significar e ensinar, no entanto, a definição Bíblica é de que toda pessoa seja ela nascida de novo ou não é livre para decidir, mesmo que essa decisão seja uma escolha errada, vejamos:

O céu e a terra tomo hoje por testemunhas contra ti de que te pus diante de ti a vida e a morte, a bênção e a maldição; escolhe, pois, a vida, para que vivas, tu e a tua descendência. Deuteronômio 30:19.

PORQUE CREMOS NÃO LIVRE ARBÍTRIO?

Deus pessoa

E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; domine ele sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu, sobre os animais domésticos, e sobre toda a terra, e sobre todo réptil que se arrasta sobre a terra. Gênesis 1:26.

           O que é necessário para ser uma pessoa?

           Neste texto Deus é Elohim. Esta palavra é um substantivo na forma plural que indica pluralidade de pessoas, de personalidade; significa que Deus é um ser pessoal, que tem personalidade.
           Elohim pessoa faz o homem pessoa. Mas, o que significa ser pessoa? Para ser pessoa são necessários três atributos, sem os quais não se pode ser pessoa: Inteligência; Sentimento; Volição (vontade própria).

           Todos os seres que não tem vontade própria, que não tem domínio de existência, são considerados animais, os animais simplesmente agem o homem pensa, por isso Decartes já dizia: penso logo existo. (penso logo tenho domínio de existência). Somente o homem tem domínio de existência, e tem a inteligência que faz inferências; vai ao passado, analisa o presente e projeta para o futuro.

           Deus também possui atributo de pessoa, para nos podermos dizer que Deus tem personalidade Ele tem que ter: Inteligência; Sentimento; Volição (vontade própria).

           Porém, existe uma diferença do homem em relação a Deus no campo da personalidade. Deus subsiste em três personalidades e o homem em uma somente. Deus quanto a número é um; Quanto à essência é um; Quanto à personalidade é trino. Para esses três a Bíblia usa pronomes pessoais e nesses três encontramos: Inteligência; Sentimento; Volição (vontade própria).

           Para ser pessoa tem que ter estes três atributos. Por isso que o homem tem livre arbítrio, porque ele tem vontade própria. Nós fazemos escolha o tempo todo. Vejamos algumas escolhas que o homem fez tanto no Antigo como no Novo Testamento:...

O Homem Vive Fazendo Escolhas

Ordenou o Senhor Deus ao homem, dizendo: De toda árvore do jardim podes comer livremente; mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dessa não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás.  Gênesis 2: 16:17.

           Adão e Eva escolheram comer, se Deus tivesse feito o homem sem livre arbítrio Ele não ordenaria e sim predestinaria (determinaria). Sendo assim, o homem jamais teria em si mesmo a capacidade de fazer escolhas, conseqüentemente jamais também iria pecar. E porque Deus o fez com vontade própria, vemos neste mesmo texto por Ele mostrado as conseqüências de escolher comer (fazer escolhas erradas): porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás.

Vê que hoje te proponho a vida e o bem, a morte e o mal.  Se guardares o mandamento que eu hoje te ordeno de amar ao Senhor teu Deus, de andar nos seus caminhos, e de guardar os seus mandamentos, os seus estatutos e os seus preceitos, então viverás, e te multiplicarás, e o Senhor teu Deus te abençoará na terra em que estás entrando para a possuíres. Mas se o teu coração se desviar, e não quiseres ouvir, e fores seduzido para adorares outros deuses, e os servires, declaro-te hoje que certamente perecerás; não prolongarás os dias na terra para entrar na qual estás passando o Jordão, a fim de a possuíres. O céu e a terra tomo hoje por testemunhas contra ti de que te propus a vida e a morte, a bênção e a maldição; escolhe, pois, a vida, para que vivas, tu e a tua descendência, amando ao Senhor teu Deus, obedecendo à sua voz, e te apegando a ele; pois ele é a tua vida, e o prolongamento dos teus dias; e para que habites na terra que o Senhor prometeu com juramento a teus pais, a Abraão,  a Isaque e a Jacó, que lhes havia de dar. Deuteronômio 30:15-20. 

            Se Deus já determinou (predestinou) não se pode ter livre arbítrio (vontade própria), então, porque no texto acima propõe ao homem que faça escolha: O céu e a terra tomo hoje por testemunhas contra ti de que te propus a vida e a morte, a bênção e a maldição; escolhe, pois, a vida, para que vivas, tu e a tua descendência. Tenho eu algum prazer na morte do ímpio?Diz o Senhor Deus. Não desejo antes que se converta dos seus caminhos, e viva? Mas, desviando-se o justo da sua justiça, e cometendo a iniquidade  fazendo conforme todas as abominações que faz o ímpio, porventura viverá? De todas as suas justiças que tiver feito não se fará memória; pois pela traição que praticou,  e pelo pecado que cometeu ele morrerá. Dizeis, porém: O caminho do Senhor não é justo. Ouvi, pois, ó casa de Israel: Acaso não é justo o meu caminho?  Não são os vossos caminhos que são injustos? Desviando-se o justo da sua justiça, e cometendo iniquidade  morrerá por ela; na sua iniquidade que cometeu morrerá. Mas, convertendo-se o ímpio da sua impiedade que cometeu, e procedendo com retidão e justiça, conservará este a sua alma em vida. Pois que reconsidera, e se desvia de todas as suas transgressões que cometeu, certamente viverá, não morrerá. Ezequiel 18:20-18.

Ímpios E Justos

           Mas se o ímpio se converter viverá...

          Se Deus Deseja que o ímpio se converta, como é que Ele determinou gente para ir para o inferno, esse texto de Ezequiel é tremendo principalmente quando diz: se o ímpio se converter ele viverá. Deus não tem prazer na morte do ímpio, mas sim que ele se converta. E quanto ao justo, se ele deixar o caminho da Justiça e cometer impiedades; pela traição que praticou, e pelo pecado que cometeu ele morrerá. O ímpio pode escolher servir a Deus, tanto quanto o justo pode escolher abandona-lo, tudo é uma questão de escolha, ou seja, fazer uso do livre arbítrio. Mas, desviando-se o justo da sua justiça, e cometendo a iniquidade  fazendo conforme todas as abominações que faz o ímpio, porventura viverá? De todas as suas justiças que tiver feito não se fará memória; pois pela traição que praticou, e pelo pecado que cometeu ele morrerá...  Mas, convertendo-se o ímpio da sua impiedade que cometeu, e procedendo com retidão e justiça, conservará este a sua alma em vida. Pois que reconsidera, e se desvia de todas as suas transgressões que cometeu, certamente viverá não morrerá.

Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela; e porque estreita é a porta, e apertado o caminho que conduz à vida, e poucos são os que a encontram. Mateus 7:13, 14.

           Jesus neste texto aconselha a se fazer uma escolha, que é a de entrar pela porta estreita, pois, a larga conduz a perdição, vemos também que não é Deus que escolhe quem entra por uma ou por outra porta, e sim o próprio homem é quem tem que escolher.

Mas o meu justo viverá da fé; e se ele recuar, a minha alma não tem prazer nele. Hebreus 10:30.

           Isso significa que o justo pode retroceder, e porque ele tem livre arbítrio, ele pode escolher deixar Deus em qualquer momento.
           Deus não determinou ninguém a ir para o céu ou para o inferno por causa dos Seus atributos: justiça, amor e misericórdia.

·         Justiça (Tsidkenu). 2ª Timóteo 4:8 à Desde agora, a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, J u s t o   J u i z , me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos os que amarem a sua vinda.
Se o homem não tivesse livre arbítrio ele não poderia ser culpado de nada, isso porque sua natureza estaria predestinada a viver aqui na terra segundo a vontade da carne, e mesmo que Deus escolhesse colocar quem ele quisesse no céu ou no inferno; sua justiça não seria justa, mais isto é impossível porque Deus é Justo.

·   Amor. 1ª João 4:8 Aquele que não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor.
A essência do caráter de Deus é amor. Deus não seria um Deus de amor se Ele já tivesse definido tudo através da predestinação fatalista.

·   Misericórdia. Lamentações 3:22 A benignidade do Senhor jamais acaba, as suas misericórdias não têm fim.

           Todo mundo merecia ir para o inferno, por causa do pecado da iniquidade  mas, a misericórdia do Senhor através de Jesus nos alcançou.

           Deus é Justiça, Amor e Misericórdia; Ele não faz acepção de pessoas: pois para com Deus não há acepção de pessoas. Romanos 2:11. Sem isolar o texto temos que lembrar a divisão do livro de Romanos que no Capitulo 2 de Romanos é a parte que fala sobre  justificação.

           Porque Deus encerrou a todos debaixo da desobediência, a fim de usar de misericórdia para com todos. Romanos 11: 32. O capitulo 11 trata de exortação. Todo mundo está debaixo do pecado. 

           O qual deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao pleno conhecimento da verdade. 1ª Timóteo 2:4. Se Deus é Justiça, Amor e Misericórdia e não faz acepção de pessoas e que deseja salvar todo mundo. Ele não pode desejar uma coisa, ou seja, a salvação de todos e ao mesmo tempo programa alguém para ir para o inferno.

Conclusão

           A teologia da predestinação fatalista no mínimo quer dizer de Deus que Ele é um maluco ou um grande brincalhão, quando na verdade Ele não é, e deseja que todos sejam salvos e que para isso preparou um plano de salvação para todos os homens. Porque a graça de Deus se manifestou, trazendo salvação a todos os homens... Tito 2:11. Graça neste texto significa Karis – favor imerecido. Se não fosse assim, na Bíblia texto de João 3:16-18.

Porque Deus amou os predestinados de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para os predestinados os quais unicamente possuem a vida eterna e não podem perecer. Porque Deus enviou o seu Filho não para o mundo, mas para os predestinados que são os únicos aos quais foi permitido crer, por isso não podem ser julgado; mas para os não predestinados que já estão condenados não é há permissão para crer porque já antes de tudo foram condenados; isso porque para eles foi removida toda e qualquer possibilidade de crer no nome do unigênito Filho de Deus.

           Como já dissemos para muitos um tema desconhecido, para outros um tema ignorado, e, para alguns um tema teológico digno de ser estudado e como vimos de maneira mais abrangente muito pouco há de equilíbrio Escriturístico entre esses dois temas teológicos.
           Apenas o conhecimento não traz salvação, é preciso uma atitude de fé pelo conhecimento como está escrito em Romanos 10:9 - Porque, se com a tua boca confessares a Jesus como Senhor, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, será salvo... Nesse texto encontramos a palavra “se” advérbio condicional, que pressupõe: decisão; escolha; livre arbítrio.
           Se a teologia da predestinação fatalista fosse uma verdade absoluta não haveria a menor necessidade do conhecimento como parte fundamental para que o homem pudesse decidir entre o céu e o inferno.